Montfort Associação Cultural

6 de janeiro de 2005

Download PDF

Ainda sobre os estatutos

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: João Carlos
  • Localizaçao: – Brasil

Como eu sei que o Sr. é inteligente espero que esta notícia o convensa. Antes de falar sobre o caminho Neo Cateceumenal e importante se informar.

Qualquer dúvida que tenha escreva para a Congregação da Doutrina da Fé que te dará maiores informações.

Site do Vaticano: www.vaticano.va



(O leitor mandou junto a notícia da Zenit sobre a aprovação dos Estatutos. Retiramos por questões de “copyright”, na mensagem
http://www.montfort.org.br/perguntas/neocatecumenato33.html pode-se ler o texto sobre a aprovação)

Muito prezado João Carlos, salve Maria.

Os membros do Neo Catecumenato se contradizem até a meu respeito. Acabo de responder a um membro desse movimento que, ironicamente, me apoda de “sapientíssimo”. Outro me diz que eu impeço o Espírito Santo de atuar. Você me diz inteligente.

Infelizmente não sou sapientíssimo. Muito menos — mísera criatura que sou — posso impedir até você de ter ilusões. Uma delas sobre a minha inteligência. Outra é sobre a ortodoxia do Neo Catecumenato.

Se nem posso convencer um neocatecunista, inteligente, como você, como impediria eu a ação do Espírito Santo?

Você tem razão de estar eufórico. Afinal o Vaticano aprovou agora, temporariamente, e só por um período experimental, os estatutos do Neo Catecumenato, que alguns afirmavam já terem sido aprovados, há anos.

Era falso.

Sua euforia tem razão de ser a aprovação dos estatutos é um passo adiante.

E eu, como fiel reverente às decisões do Papa, só posso doravante afirmar que o Neo Catecumenato tem seus Estatutos aprovados, agora, temporariamente, e só por um período experimental pela Santa Sé.

Está contente?

Mas é uma ilusão você pensar que essa aprovação me faça passar pelas forcas caudinas.

A aprovação de estatutos não é aprovação das doutrinas do Neo Catecumenato.

A Santa Sé não declarou que é lícito dançar sobre as partículas da Hóstia consagrada que caem ao chão, aquelas que Kiko chama de “migalhas”. Isso a Santa Sé não aprovou, e nem poderá jamais aprovar, porque é sacrilégio indicativo de heresia, pois supõe a negativa da presença real de Cristo na menor partícula da hóstia consagrada..

Para refrear ilusões nada melhor que a história. Ela abre os olhos para aqueles que, desconhecendo a doutrina católica, tiram conclusões apressadinhas sobre o que significa uma aprovação de estatutos.

Tendo em vista ajudar os membros do neo catecumenato a não se iludirem, tomando a nuvem por Juno, ou moinhos por gigantes, lhes escrevi dois relatos históricos interessantes, que sairão no site Montfort sob o título: “Duas histórias (http://www.montfort.org.br/veritas/duashistorias.html)“.

A primeira história relata como um Papa santo — São Pedro celestino, o Papa celestino V — protegeu os Espirituais franciscanos que já haviam sido acusados de heresia, condenados e punidos, acolhendo-os na ordem de eremitas que esse santo Papa fundara.

A ilusão durou pouco. São Pedro Celestino, humildemente, compreendendo que não tinha capacidade para ser Papa, renunciou à Tiara, para grande desagrado de Dante, dos gibelinos e dos hereges Espirituais franciscanos.

Bonifácio VIII, o novo e muito gorioso Papa, — o da Bula Unam Sanctam — quase que imediatamente, revogou todas as licenças e aprovações que São Pedro Celestino outorgara aos hereges Espirituais. Anos depois, em 1318, outro Papa, João XXII, condenou os hereges Espirituais, os dolcinianos, os ekhartianos, os seguidores de Ochkam, os discipulos de Marsílio de Pádua, etc E mais condenaria, se mais hereges houvera.

Acabou a ilusão… espiritual.

O segundo episódio histórico que narrei para os neo catecumenais é o de outro Papa santo, Inocêncio XI, que impediu a condenação do Quietismo, defendido por grandes teólogos e cardeais. Afinal, Inocêncio XI, um Papa santo, voltou atrás, e condenou os líderes do Quietismo e suas heresias místicas.

São dois episódios que o ajudarão a compreender a realidade, e a acalmar euforias ilusórias.

Leia essa “duas histórias” (http://www.montfort.org.br/veritas/duashistorias.html), no site Montfort.

Elas o acalmarão. E tirar-lhe-ão ilusões.

E lhe darão, talvez, — lamento — raiva.

Mas a raiva será má, porque irracional.

Tenha então visão clara e pesos aos pés antes de julgar, como recomendava o gibelino Dante, o inimigo de Bonifácio VIII, e amigo dos Espirituais.

É o que lhe deseja este seu amigo in Corde Jesu, semper, Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: O Neocatecumenato, o Papa e bons frutos - Orlando Fedeli

Cartas: Voz que clama na cidade - Orlando Fedeli

Cartas: Neo catecumenato: confissão - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais