Montfort Associação Cultural

8 de outubro de 2004

Download PDF

Adão e Eva, o pecado original e o dilúvio

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Adelize
  • Idade: 17
  • Localizaçao: Foz do Iguaçu – PR – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau em andamento
  • Religião: Católica

A paz de Jesus!

-Como o mundo pode ter começado de apenas duas pessoas (Adão e Eva)?
-É simbólico quando diz na Bíblia a respeito da maça que os dois comeram?
-E sobre o dilúvio, realmente isso aconteceu? Como Noé pegaria dois animais de cada espécie?


Prezada Adelize,
Salve Maria!

É lógico que a humanidade começou apenas com duas pessoas: Adão e Eva.

Nem era preciso mais.

Deus fez assim, para que todos nós compreendêssemos que somos todos irmãos, já que descendemos todos de um único casal inicial.

Aliás, o monogenismo — doutrina que afirma que todos os homens descendem de um só casal — é dogma da Igreja. Quem ensinar ou crer que os homens descendem de vários casais — o poligenismo — está condenado. Pio XII condenou essa doutrina do poligenismo na Encíclica Humani Generis.

Se o poligenismo fosse verdadeiro, os homens não seriam todos irmãos. Pela doutrina católica do monogenismo, todas as raças descendem de Adão e Eva, e, por isso, o racismo é condenável. São os racistas que defendem o poligenismo. Daí é que nasceu o nazismo, doutrina criminosa que assassinou milhões de pessoas por motivo de raça.

O fruto proibido por Deus não foi uma maçã.

A palavra maçã, em latim, se diz “mala”. Ora, “mala”, em latim, quer dizer também “males”.

Dai, o povinho ignorante pensou que o que trouxe todos os males (mala) para o mundo, teria sido a maçã (mala).

O que Deus proibiu comer foi o fruto da árvore do Conhecimento do Bem e do mal. Deus proibiu a Gnose. A pretensão de ser Deus.

Adão e Eva acreditaram na serpente, que lhes disse que, se comessem aquele fruto, eles se tornariam deuses. E eles comeram o fruto, querendo ser deuses.

Foi um pecado de desobediência, pois comeram o que Deus proibira. Foi um pecado de gula, porque quiseram comer o fruto , porque ele parecia apetecível. Foi um pecado de orgulho, pois pretendiam tornar-se deuses. Foi um pecado de magia, pois sabiam que, comendo o fruto, ele, por si mesmo, não poderia produzir um efeito que superasse a sua potência natural. Foi um pecado de satanismo, porque eles quiseram que esse ato mágico teria resultado pelo auxílio de satanás. Foi um pecado de blasfêmia, porque acreditaram que Deus lhes havia mentido, ao dizer que o fruto lhes traria a morte.

Você me interroga ainda sobre o dilúvio.

Claro que o dilúvio aconteceu, pois Deus não mente.

Todos os povos do mundo tem a tradição de um dilúvio, e isto comprova a sua existência. Os caldeus, assírios, gregos e até os nosso indíos falavam do dilúvio. Logo, ele aconteceu mesmo.

Como Noé colocou, na Arca, todos os animais não é difícil de compreender, se se sabe que Deus é onipotente. Mas há quem interprete dizendo que o Dilúvio foi universal, porque inundou toda a terra habitada então pelos homens, e que Noé salvou os animais daquela região. De qualquer modo, nada é impossível para Deus.

In Corde Jesu, semper, Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Que os mortos enterrem os mortos - Orlando Fedeli

Cartas: Anjos - Orlando Fedeli

Notícias e Atualidades: Entrevista de Dom José Cardoso Sobrinho

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais