Montfort Associação Cultural

7 de janeiro de 2005

Download PDF

Adão e Eva e a diversidade de raças humanas

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Rodrigo
  • Localizaçao: Itaperuna – RJ – Brasil

Caro senhor Orlando…..

Esse é o terceiro email que lhe envio. No primeiro, me esclarecestes dúvidas sobre a reencarnação, e no segundo falei sobre questões ateístas (são argumentos retirados de sites) para que o senhor pudesse dar uma refutação (até mesmo porque tenho muitos amigos ateus). Não sei se ele chegou, porém não recebi a resposta. Mas já não me importa.

Nessa busca que estou de uma religião, fixei-me em alguns artigos e respostas do senhor a emails e um eu destaquei: (queria frisar que emails que eu mandar daqui pra frente, serão para me esclarecer sobre a doutrina católica, da qual estou querendo seguir, ou melhor, voltar a seguir, porém com mais abnegação).

Pois bem: no email respondido a Adelize sobre dilúvio e Adão e Eva, o senhor disse que realmente a humanidade vem de dois seres.

Mas se a humanidade vem de dois seres, como explicar por exemplo, que quando os portugueses chegaram aqui no Brasil, já existiam moradores? de onde vieram, tendo em vista que não tinham tecnologia para chegarem até aqui? (porque o Jardim não ficava aqui). Muitas ilhas que foram “”descobertas”" também já continham habitantes, a maioria deles desprovidos de meios de terem chegado até lá………

Ë possível, biologicamente, explicar essa diversidade de raças, tendo o homem vindo de apenas dois seres?

Quanto ao dilúvio, eu tenho a seguinte dúvida: Porquê Deus iria manda-lo para destruir a criatura que ele mesmo tinha havido criado. Na própria bíblia diz que o ladrão é que vem pra matar, roubar e destruir…. Porque então um dilúvio? Creio eu que a humanidade hoje em dia também entristece a Deus e ele tem muito mais motivos para enviar uma catástrofe em tamanhas dimensões do que naquela época……..

Bem, espero que me responda essas dúvidas que me incomodam……..

Ficam aqui meus parabéns pelo site e meus desejos de tornar-me um católico apostólico romano….

Fique com Deus

Muito prezado Rodrigo, salve Maria.

Muito lhe sou grato por suas palavras de apoio e de elogio a nosso site.

Mas, muito mais fico contente por sua decisão de se tornar católico. Que Deus lhe dê muitas graças, para que isso realmente aconteça, em sua alma e em sua vida.

Respondo às suas dúvidas expressas nesta missiva.

Todos os homens vem de um só casal. Os índios da América, isso é bem sabido, vieram da Ásia e das ilhas da Oceania.

Os meios que usaram para chegar até aqui foram vários.

Algumas tribos podem ter vindo do extremo leste da Ásia pelo estreito de Behring – que por vezes congela e permite a passagem mesmo a pé– ou de barco — até o Alasca.

Outros grupos podem ter utilizado barcos, e aproveitado as correntes marítimas do Pacífico, indo de ilha em ilha. A expedição de Kon Tiki comprovou, há algumas décadas, que era possível ter vindo da África, através do Atlântico, até a América. O mesmo comprovou o remador solitário Amir Klink. Se isto valeu para o Atlântico era viável também no Pacífico.

O certo é que os ameríndios são de raça mongólica, e que, portanto, vieram da Ásia.

Quanto à diversidade de raças, ela é explicada por mutações genéticas. Se as raças humanas não viessem de um só casal,  cairia-se facilmente no sistema nazista, que mostrou ser criminoso, pois não considerava certas raças como humanas. Foi isto que causou os monstruosos crimes nazistas, em Treblinka e Auschwitz. Por isso, Pio XII ensinou na encíclica Humani Generis que se deve afirmar que todos os homens descendem de um só casal. Pio XII, nessa encíclica, condenou o poligenismo, isto é a teoria que os homens descendem de vários casais diferentes.

É porque descendemos de um só casal que somos todos irmãos.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Monstruosidade

Cartas: Comentário a respeito da Teoria da Evolução - Fábio Vanini

Cadernos de Estudo: O Santo Sudário

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais