Montfort Associação Cultural

3 de janeiro de 2011

Download PDF

Abri meus olhos para os erros da RCC!

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Simone Barbosa
  • Localizaçao: Recife – PE – Brasil
  • Escolaridade: Superior incompleto
  • Profissão: Estudante
  • Religião: Católica

Caríssimos irmãos de Fé

Venho com muita alegria relatar o meu despertar.

Há uns meses escrevi uma carta questionando sobre a relação da RCC com nossa Santa Igreja. E antes mesmo de receber a resposta comecei a refletir sobre o que eu escrevi. Li mais sobre a doutrina, a história e as leis de nossa Fé. Mas agora de maneira diferente, amadurecida, crítica e durante esse tempo conclui o curso de Crisma. Assim, o sacramento me trouxe um sentimento de responsabilidade enorme e ainda mais peso sobre minha decisões e opiniões sobre A Santa Igreja Católica. Foi então que percebi o que estava tão claro e evidente, mas minha imaturidade me impedia de enxergar. Enfim, percebi que tudo que levei de bom da época de RCC não era fruto da RCC. Meu interesse sobre doutrina, História, lei não vinha da RCC, vinha da minha vontade particular de conhecer tudo aquilo que eu amava antes mesmo de qualquer grupo jovem, era fruto do amor de Deus agindo em mim. E que tudo que se relacionasse à retidão, a obediência ao Santo Papa, à caridade, ao amor fraterno, ao viver e ser católico foi herança da minha criação Cristã, ou melhor, do exemplo de minha mãe, ela sim me ensinou a ser Católica, ela me mostrou todo o amor que Deus tem por nós e ela sim é exemplo de perseverança e confiança em Deus desde a minha tenra idade. Ela que tantas vezes eu julguei que estava longe da Igreja por não estar na RCC ou por me alertar com tanto carinho sobre “os exageros e coisas estranhas” do movimento.

Como fui tola.
E deste modo lembrei que eu era classificada como “rebelde” dentro do grupo. Que muitas vezes não fiz o que me determinavam, por considerar errado. E lembrei que tantas vezes julguei que muitas atitudes dos “coordenadores” eram prepotentes, arrogantes e exageradas para não usar de palavras grosseiras. E depois de tudo isso conclui, graças ao Amor infinito e eterno de Deus, que o problema não era com as pessoas, como julgava na época, mas sim com tudo aquilo que tomava a cabeça delas e que graças a Deus não me contaminou muito, nem por longo tempo.
O sacramento do Crisma me “puxou” para a responsabilidade, me fez pensar como deveria ser sensata, séria e coerente cada opinião que agora eu tecesse sobre a minha santa Igreja que tanto amo e defendo, a partir desde momento começou a surgir todas essas idéias acima escritas na minha cabeça, mas de forma ainda não consolidada, até que abri meu e-mail e vi a resposta de minha carta anterior que me fez juntar todos os pensamentos que escrevi acima e depois li uma carta,no site, que relatava também muito daquilo que eu havia visto e vivido. Foi o que faltava para montar as peças desse quebra-cabeça tão simples, mas que minha infantilidade não me permitia.
Bom, já fiz o pedido de desculpas a minha mãe, que por sinal é uma verdadeira mãe Católica preocupada e empenhada no ensinamento da Fé Católica Romana. Mas faltava eu vir aqui relatar tudo isso, todo meu engano e pedir desculpa a todos aqueles que um dia eu magoei por estar cega.
Claro que na RCC tem pessoas bem intencionadas e que amam a Deus e buscam a Deus, mas que, assim como eu, estiveram ou estão enganadas e iludidas.
Venho então Contar o que me aconteceu e reafirmar aquilo que sentia em mim, mas ainda não havia entendido: Amor a Deus é tudo. E se ama a Deus amando tudo que vem dele, e se prova amor a Deus obedecendo o que Ele nos diz e se a Sua palavra é guardada pela Santa Igreja Católica Apostólica Romana e pelo seu Santíssimo Papa que assim seja nossa obediência.
Não precisamos de eloqüência para viver intensamente o Amor…Ao contrário, isso não é Amor.
Deus é perfeito, é Paz, é Serenidade, é Pai e Amor de Pai é aconchegante, é tranqüilo, sereno, assim como eu sempre vivi e vi dentro de minha casa e naqueles que realmente amam a Deus; Amor de Deus é intenso, fortificante, infinito, e assim devemos senti-lo dentro de nós como a energia forte do pulsar de nossos corações nos trazendo vida e força para lutar e viver esse amor; Mas Amor de Pai também trás caminho, exemplo e ensinamentos que devem ser seguidos a qualquer preço, assim como deve ser a vida de todo Cristão católico.

Termino minha carta como uma declaração de amor a Deus e agradecimento pela graça de me permitir ver.

Agradeço também pelo belo trabalho feito pelos irmãos. E almejo de todo coração engrandecer o Santo nome do Senhor e leva-Lo comigo sempre. Quero crescer a minha fé e espero contar com os esclarecimentos trazidos pela Montfort.

Fiquem com Deus e que Ele nos abençoe eternamente.

Simone Barbosa

Data: 10 Abril 2007


 
Muito prezada Simone,
Salve Maria.
 
     Dou graças a Deus que lhe abriu os olhos para os erros da RCC. Procure estudar bem a doutrina católica
 
     Só podemos amar aquilo que conhecemos. Ninguém pode amar algo que nem conhece. Por isso, para amar a Deus e sua santa e única religião, é preciso estudar bem a verdade que Jesus nos trouxe. Ele nos disse: “A Verdade vos libertará” e Ele mandou seus Apóstolos: “Ide e ensinai“ 
 
     Escreva-me sempre.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais