Montfort Associação Cultural

14 de fevereiro de 2010

Download PDF

Abertura para a comunhão plena da FSSPX

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Wagner
  • Localizaçao: Campinas – SP – Brasil
  • Escolaridade: Pós-graduação concluída
  • Profissão: Adm de Empresas / Consultor
  • Religião: Católica

Caríssimos (as), a paz de Cristo esteja convosco.

É com prazer que constato a existência de pessoas dispostas a esclarecer aos irmãos dúvidas sobre a nossa Santa Mãe Igreja, embora eu discorde em alguns momentos do “tom” adotado nas resposta. Mas não é este o principal motivo que me leva a escrever este e-mail.

Gostaria de saber qual a leitura que é feita por voces sobre a abertura que o Papa Bento XVI fez no sentido de obter a comunhão plena da FSSPX, visto que havia (e talvez ainda haja) o risco de ocorrer um novo cisma, nos moldes do que ocorreu com Lutero (tendo em vista que o que motivou-o foi a discordância quanto ao que a Santa Mãe Igreja defendia), e em nenhum momento afirmo que Lutero estivisse com a razão.

Vou expor meu entendimento das ações adotadas até o momento, e gostaria de saber se a leitura que estou fazendo dos fatos tem algum alinhamento com a leitura que voces estão fazendo.

Minha leitura é a seguinte: o Papa não deseja que haja filhos afastados e em descomunhão e por isso foi, como um pastor, em busca daqueles que se afastaram do rebanho. No entanto impos uma condição, a de que estas ovelhas demosntrassem o desejo de permanecer no rebanho e com ele comungar, e para comprovar este desejo solicitou que o Concílio Vaticano II fosse aceito por estes que estão sendo convidados a voltar para o rebanho.

Mas me chama a atenção o fato de que muitos outros, embora não ex-comungados oficialmente, também poderem voltar a ter a comunhão plena, desde que aceitem as mesmas condições e demonstrem os mesmos desejos.

Veja bem, não estou neste momento fazendo uma avaliação do certo ou do errado, mas simplesmente constatando que há uma descomunhão entre as partes.

Abraços fraternos e, sabendo da atenção que me será dispensada, muito obrigado.

Wagner.

Muito prezado Wagner,
Salve Maria.

     Recomendo-lhe que leia o livro do Cardeal Ratzinger “Lembranças de minha vida” (Paulinas).
     Nesse livro, o atual Papa mostra que ,desde 1962, começou a ver as tendências péssimas do Concílio Vaticano II (págs
111 a 113). Depois lá pela página 128 a 130 ele fala do que acontece na nova Missa mostrando que nela houve uma ruptura com a liturgia do passado. E a palavra ruptura é do Papa e não minha. (escrevi um artigo sobre esses textos do papa no site Montfort).
     O Cardeal Ratzinger contou que cometeu dois erros na vida, que queria corrigir: a excomunhão de Dom Lefebvre e a questão do Terceiro Segredo de Fátima quando “lhe forçaram a mão”.

     E é o que ele está fazendo pouco a pouco, trazendo a nau da Igreja em direção à coluna da Hóstia (O Motu Proprrioe o Decreto em favor dos Bispos da FSSPX) e em direção a Nossa Senhora (O segredo de Fátima) que será publicado.
     Por enquanto, ele vai reformar a Missa Nova, da qual já publicou uma terceira edição típica introduzindo mudanças bem sérias que desgostarão sobremaneira os modernistas das Missas-show e uma novo Decreto assegurando a liberdade ainda mais completa para a Missa de sempre. Para isso, ele terá que reorganizar a Cúria Romana onde há eclesiásticos importantes sabotando a sua ação como recentemente no caso de Dom Williamson e da Shoá.
     Quanto ao cisma modernista, já João Paulo II declarou que se vivia na Igreja um cisma silencioso.
     Agora, com o decreto retirando a excomunhão dos Bispos de Dom Lefebvre — Deo gratias!!! — o cisma modernista começou a ficar clamoroso. Muitos começam a declarar-se em revolta contra o Papa Bento XVI. Essa apostasia irá crescer, porque os que são hereges em segredo, virão manifestar seus erros doutrinários publicamente. “Nada há de oculto que não venha a ser revelado”, disse Jesus no Evangelho.
     O Papa disse que os Bispos da FSSPX deviam aceitar a autoridade dos papas e o Vaticano II. Mas não disse que se devia aceitar o conteúdo integral do Vaticano II. Tanto que aceitou que se discutissem alguns pontos doutrinários do Vaticano II que a FSSPX repele com razão como contrarios à doutrina que a Igreja sempre ensinou. Bento XVI declarou que aceita discutir “as questões em aberto” no Vaticano II que ele mesmo no Chile disse que erravam os que consideravam o Vaticano II um super dogma. Esse concílio não usou de infalibilidade.
     Ainda hoje, Dom Odilo, Cardeal de São Paulo declarou que não aceitar o Vaticano II acarreta excomunhão (o que é um absurdo).
     Agradeço suas palavras de elogio – ainda que parcial — ao site Montfort.

     Quando os modernistas se queixavam a São Pio X de que certos católicos leigos eram muito contundentes nas palavras contra a heresia modernista, São Pio X lhes lembrou que na guerra não se trocam flores…

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais