Montfort Associação Cultural

12 de janeiro de 2005

Download PDF

Abandono de Jesus na cruz

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Mercio
  • Idade: 28
  • Localizaçao: Brasília – DF – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Religião: Católica

Caro Orlando, é um prazer poder estar aqui neste site que é de grande ajuda aos catolicos do mundo, onde vc defende com tanto amor nossa santissima igreja, gostaria que vc me falasse um pouco sobre o abandono de Jesus na cruz, onde ele fala  “Pai porque me abandonaste?” me explique melhor o que quer dizer isto

Muito prezado Mércio, salve Maria.

Muito obrigado por suas palavras, nas quais a amizade faz superar a justiça. A morte de Cristo é um dos mistérios da nossa Fé. Mistério, porque não podemos compreendê-la até o fundo. Como Cristo, Deus e homem, pôde morrer? Ele morreu enquanto homem, responde-nos o catecismo, porque como Deus não podia nem padecer, nem morrer.

Na Cruz, Nosso Senhor quis pagar todos os nossos pecados. Quis sofrer também a angústia do pecador, abandonado por Deus. O mistério, nesse caso, consiste em que Cristo, na cruz, estando sempre unido à Divindade, foi como que abandonado por Ela, como o pecador é abandonado por Deus. Daí o grito lancinante de Cristo: “Pai, por que me abandonaste?”

Cristo sofreu, então, a tristeza do pecador abandonado por Deus, Ele que não tinha pecado, para nos resgatar do pecado e das garras do demônio, quis suportar todas as penas devidas ao nossos pecados. Por aí, podemos compreender até que ponto nos ama o Filho de Deus. E nós O amamos tão pouco! E esquecemos tão facilmente o quanto Ele nos ama e o quanto Lhe devemos!

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Confissão Comunitária - Orlando Fedeli

Cartas: Canonização dos santos - Orlando Fedeli

Cartas: Não usar o nome de Deus em vão. - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais