Montfort Associação Cultural

21 de setembro de 2004

Download PDF

Abandono da TFP

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Paulo
  • Localizaçao: – Brasil

Quando lia um dos artigos de Orlando Fideli, ele mencionava as razões pela qual a abandonou de modo incompleto, peço portanto, se possível logo, que me seja enviado um e-mail explicando melhor as razões pelas quais a abandonou, ou que me seja indicado onde encontrar um texto dele (Orlando Fideli) no qual ele explica por que discorda da TFP.

Grato Paulo

Prezado Paulo, salve Maria.

Deixei a TFP por não aceitar o culto delirante que se começou a prestar lá, a Plínio Corrêa de Oliveira e à mãe dele, Dona Lucília.

Esse culto era fomentado por ele mesmo, através de seu discípulo preferido, João Scognamiglio Clá Dias, que organizava o fanatismo delirante em torno do pseudo Profeta de Higienópolis. Pouco a pouco dei-me conta, por uma série de indícios, de que, na TFP, devia haver uma organização secreta desonhecida pela maioria de seus militantes. Acabei tendo as provas da existência dessa seita secreta, por trás da TFP. Ela se chamava a “Sempre Viva” e tinha por fim, exatamnete, a prática de um culto paranóico ao fundador da TFP. Tal culto se fundamentava em doutrinas estranhas, que aberravam da doutrina Católica. Por isso, logo que tive as provas de tudo, saí da TFP e denunciei a existência das doutrinas, da seita, dos cultos e práticas secretas que se ensinavam e praticavam nos bastidores da entidade.

Logo que for possível e quando for necessário, publicarei neste site, algumas dessas provas.

In Corde Jesu, semper, Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: O espírito que animava Dr. Plínio - Alberto Zucchi

Cartas: De mutuca a pitbull - Orlando Fedeli

Cartas: Acórdão Português sobre TFP e ACNSF - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais