Montfort Associação Cultural

13 de julho de 2007

Download PDF

A Verdade eterna, escondida nas catacumbas dos seminários

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Luiz
  • Localizaçao: SP – Brasil

Salve Maria!

Caríssimo Prof. (e amigo, se assim me permite chamá-lo) Orlando Fedeli e demais integrantes da equipe da Montfort

É munido da santa alegria dos que esperam em Deus que lhes escrevo, e peço-lhes licença para me dirigir de modo particular ao Prof. Orlando para demonstrar-lhe minha real satisfação em poder escrever-lhe saudando-o pelo empenho e ardor apostólico com que leva adiante a mensagem de Nosso Senhor, empunhando firmemente o estandarte da Associação pelo senhor presidida. Já há um bom tempo que queria escrever-lhe, mas sempre deixei de fazê-lo devido ao fato de conhecer as dificuldades que o senhor e sua equipe tem para responder as inúmeras cartas que lhes chegam às mãos. Mesmo assim, não pude deixar de fazê-lo devido a meu insistente desejo de tratar ao menos um pouco com uma pessoa que alimenta exatamente os mesmos ideais que eu, inclusive, faz isso há muito mais tempo que eu.

Sou ex-seminarista de uma congregação certamente conhecida pelo senhor, mas que por prudência peço-lhe o favor de omitir ao eventualmente publicar minha carta. Também lhe pediria a bondade de omitir meu sobrenome, pelo qual eu era chamado quando estava no seminário. Peço-lhe tal favor devido ao fato de conhecer algumas idéias reinantes nos seminários da congregação em que vivi, e devido a isso, se um dia eu voltar a ingressar em algum desses seminários isso poderia complicar minha situação devido às idéias que antes eram por mim defendidas abertamente, mas que depois tiveram que ser defendidas na surdina. Explico: fui seminarista redentorista por sete anos, período no qual pude aprender muito com diversos sacerdotes doutos, realmente doutos e santos que defendem nossa Igreja com todas as suas forças e que por isso eram ridicularizados pelos póprios confrades; mas também pude presenciar a invasão e proliferação de diversas doutrinas avessas à sã doutrina sempre ensinada pela Igreja.

Nesse período, tomei conhecimento real do que antes só ouvira falar: a Missa Tridentina, ainda rezada em particular por muitos padres da referida congregação! A nós seminaristas era um encanto conhecer as belezas da liturgia de S. Pio V, porém só podíamos travar conhcimento com os sacerdotes que a celebravam , como que às escondidas, pois se nossos reitores soubessem poderíamos ter sérios problemas, entre os quais sermos acusados de não estar no seminário por vocação, mas por farisaísmo, já que as formas da liturgia de sempre, na mentalidade estreitíssima desses últimos, evocava símbolos de poder sobre o povo, e com o Vaticano II tudo o que se evocava não eram nada mais nada menos que símbolos de serviço(sic!). Nunca consegui perceber nenhuma conexão lógica nessa argumentação, que antes de mais nada soava a meus ouvidos como uma descabida tolice, das mais bobas e muito mal pensadas. Mas sempre o grande argumento era que eles eram os reitores e nós seus súditos, e caso não os obedecêssemos, mesmo no erro, seríamos demitidos…Ainda assim, entre nós seminaristas corriam antigos missais cotidianos em latim, haviam pequenos grupos que se interessavam muito por todas as formas da liturgia de sempre, e não raras vezes encontrávamos sacerdotes que nos apoiavam e que para nós eram como que um oásis em meio à tanta hostilidade e secura para com a liturgia realmente católica e não protestantizada como a que temos hoje.

Sempre travamos conhecimento com um velho sacerdote, eminente latinista que nos ensinava tudo a respeito das rubricas da missa de sempre e nos incitava a no futuro não “deixá-la morrer”, conforme sua dolorosa expressão. Tempos bons e frutuosos. Esse sacerdote, apesar das chacotas pelas quais passava (e que provinham dos próprios religiosos) jamais abandonou o uso da veste eclesiástica! Sempre conservou seu hábito religioso e nos incentivava a fazer o mesmo. Quando celebrava em particular a missa era a de sempre e os paramentos, o altar e tudo o mais também…

Vos escrevo tudo isso para encorajá-lo em sua luta pela valorização daquilo que sempre foi da Igreja e que agora ela mesma parece esquecer-se…Sei que o senhor não precisa do encorajamento de um jovem tão imprudente como eu, mas escrevo-lhe mesmo assim, nem que seja para demonstrar-lhe que pessoas como eu, também podem sustentar ideais retos. Se lhe servir para algo as minhas palavras ficarei contente e se não servirem também fico contente, pois sei de minhas muitas limitações e da minha ousadia em tomar tanto seu tempo, e por isso posso até atrapalhá-lo em seu apostolado; mas só escrevo essas linhas no desejo de alegrar-lhe o coração afirmando que embora tenha deixado o seminário sei que tanto eu quanto os demais que perseveraram são defensores daquilo que a Igreja sempre ensinou, e mais: são seus leitores!

Conheço seminaristas, padres e irmãos da congregação em que estive que muito admiram o trabalho da Montfort e, embora não se comuniquem com a associação a auxiliam com suas orações. Por isso, ouso dizer-lhe: ânimo! Muitos membros dos seminários e até mesmo clérigos lêem muita coisa do que se publica no site da Montfort e as utilizam. Um de meus professores no seminário era assíduo leitor e nos indicava sempre…

Desejaria muito participar de uma palestra sua, ou mesmo colaborar com o senhor de algum modo. Gostaria de conhecê-lo, e se me perdoa a indiscrição, agradecer-lhe pessoalmente pela contribuição que me em oferecido através da Montfort.

Ad Iesum per Mariam

Luiz

Muito prezado Luiz,
Salve Maria.
 
    Evidentemente, permito que me chame de amigo, pois, como ensina São Tomás, amigos são aqueles que querem as mesmas coisas, e que não querem as mesmas coisas. Queremos o triunfo da Igreja Católica sobre a heresia modernista; queremos ambos a Missa de sempre e o fim da Missa modernista de Bugnini e Paulo VI; queremos ambos o triunfo do Imaculado Coração de Maria, como foi predito em Fátima. Portanto, somos amigos no mais profundo sentido da palavra. Amigos por termos a mesma Fé. Amigos por termos a mesma caridade. Amigos por termos a mesma esperança e a mesma certeza.
    Você não imagina como sua carta me deu ânimo.
    Sua carta me demonstrou o que sempre acreditei: não é só na Montfort que Deus reúne os católicos. Por toda parte, a graça de Deus inspira nas almas a Fé católica e a caridade ardente que dela nasce.
    Que bom!!!
    Que bom saber que, mesmo nos seminários modernistas, Deus suscita em almas fiéis a coragem de resistir à heresia celebrando a Missa de sempre, ainda que às escondidas nas catacumbas de seminários modernistas… Que bom saber que ainda há padres que são perseguidos por terem a Fé verdadeira! Que bom saber que ainda há sacerdotes perseguidos por sua fidelidade à batina e ao Missal, por sua fideleidade à lei de Deus e aos seus votos. Então, no deserto, há oásis?! Então, no deserto há fontes?! Então, no deserto, há tamereiras com doces frutos!
    Então aquela que era chamada estéril — a Igreja Católica — é sempre fecunda!
    Bendito seja Deus que me deixou saber e ver que seu braço onipotente não perdeu poder!  
    Bendito seja Deus que me deixou conhecer que a semente de seu Verbo continua fecunda, germinando escondidamente na terra árvores frutíferas e espigas douradas!
    Bendito seja Deus que me permitiu saber que, mesmo nas areias do deserto, seu poder de dar vida gera almas fiéis!
    Bendito seja Deus que me permitiu saber que as palavras que digito caem em inteligências fiéis, e que não é vã a faina da Montfort!
    Como me seria agradável pedir a bênção de um sacerdote que é debochado por sua fidelidade à Missa de sempre e à batina.
    Como me dá ímpeto de luta o saber que há velhos sacerdotes e jovens seminaristas que lêem, talvez às escondidas, o site Montfort, e que rezam para que Deus nos conceda sabedoria e coragem.
    E, conhecendo muito bem meus pecados, minha indignidade e meu nada, o saber dessas orações me explica o êxito e a fecundidade apostólica do site Monfort.
    Diga então, em meu nome, para esses sacerdotes e seminaristas que, de joelhos diante de Deus lhes agradeço as orações e súplicas que fazem a Deus pelo combate da Montfort. Deus lhes pague! São as orações deles, e de muitos outros, que fecundam nossas cartas e que dão sal às nossas polêmicas.
    E se era assim em seu seminário, certamente em outros lugares acontece isso também. E, se de fato o Papa Bento XVI liberar a Missa de sempre dos entraves iníquos que tão injustamente a tolhem, então haverá uma enxurrada de jovens sacerdotes que se declararão pela Missa de sempre, e pela Igreja Católica Apostólica Romana, de sempre!!
    Rezemos e lutemos por essa vitória!
    Lutemos e rezemos juntos!
    À vitória!!!
    À vitória!!!
    Deus não muda e Deus não falha!
    À vitória!!!
    Viva o Papa!!! Viva a Missa de sempre!!! Viva a Santa Igreja Católica Apostólica Romana!!!
 
In Corde Jesu, semper, 
Orlando Fedeli



Nota: resposta escrita um ano antes da publicação do Motu proprio Summorum Pontificum

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Obrigado Prof. Orlando!

Cartas: Carta de apoio contra o Modernismo na Igreja - Orlando Fedeli

Cartas: Muito obrigado Prof. Orlando

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais