Montfort Associação Cultural

22 de novembro de 2004

Download PDF

A Igreja, ao contrário da Wicca, tem verdadeiro respeito pela vida.

  • Consulente: Fernanda Leal
  • Idade: 25
  • Localizaçao: PR – Brasil
  • Escolaridade: Superior incompleto
  • Profissão: Administradora
  • Religião: Outras – escreva abaixo

Senhores…..
Sou estudante das artes e religiões…..a Wicca acima de tudo preserva a identidade das pessoas e o respeito a tudo e a todos da mesma forma, estou aqui em indignação. Primeiro pela falta de respeito como foram tratadas e dadas as respostas ao nosso colega, segundo em dizer que a maioria dos wiccanos são a favor do aborto, pois, há pessoas de várias religiões a favor inclusive da propria igreja católica, somos a favor da prevenção, o que já não ocorre com outras religiões que em nome de Deus, propaga as mais baixas misérias como a fome, discriminação, guerras etc……

Somos bruxos de coração e a magia nada mais é do que realizar aquilo que podemos sem prejudicar ninguém, buscamos sim, a nossa felicidade interna e a nossa paz, mas quero conhecer o ser humano que não pensa nisso. mas acima de tudo a wicca trabalha em cima do amor, do amor universal, sem discriminação de qualquer forma, um amor incondicinal a tudo que o criador fez e realizou nos homens.

Nada pode ser realizado através da magia, se antes em nossa alma já não estiver predisposto. Se Deus em sua grande obra não nos tivesse dado a energia e a luz para a vida, não nos daria a liberdade de escolher a forma de cultuarmos a ele. Seríamos como os bois, que se fecham em um mundo de comida e trabalho e aceitam a hora da morte sem brigar por isso.

Desculpe Senhores, sempre achei este site muito aberto, mas não posso deixar de manifestar a minha indignação em ver que em 2004 ainda as pessoas acreditam que celebrar a natureza, o sol a lua, o ser humano seja visto como obra do demonio.

Um abraço

Fernanda Leal

Cara Fernanda,
salve Maria!

Quem respeita a tudo, na verdade não tem respeito verdadeiro por nada. Um juiz não pode respeitar a liberdade de um assassino ao julgá-lo pelos seus crimes. Da mesma maneira, um professor não pode aceitar as respostas erradas que um aluno dá em uma prova por respeitar a sua opinião.

As pessoas, como criaturas de Deus, certamente merecem respeito. Mas a mentira e o erro não merecem respeito algum.

E a Wicca prova ser um erro, porque constitui idolatria, o que é condenado no primeiro mandamento: “Não terás outros deuses perante minha Face”.

E ela prova ser cheia de mentiras, pois é uma religião fabricada por ocultistas remanescentes da OTO e da Golden Dawn, e que diz ser a restauração de uma antiga religião, coisa que os historiadores mais respeitados rejeitam e que muitos wiccanos mais esclarecidos reconhecem.

Até Doreen Valiente, uma discípula direta de Gerald Gardner, o fundador da Wicca, diz que não acredita na regra das três vezes e que esta foi inventada pelo seu mentor.

O fato de existirem maus católicos que aceitem o aborto é irrelevante, pois muitos se dizem católicos e não procuram conhecer e seguir o que ensina a Igreja.

E a Igreja condena o aborto como o crime hediondo que é, ao contrário da Wicca que respeita tudo, inclusive o assassinato de crianças inocentes no útero materno.

Agora explique-me, como o nascimento de uma criança implica em fome, guerra e discriminação? Quem as provoca, minha cara, são pessoas bem adultas.

O fato dos wiccanos serem a favor do controle de natalidade não os abona de forma alguma. Margaret Sanger, a fundadora da Planned Parenthood e a ativista modelo do controle de natalidade era uma racista virulenta defensora da eugenia, que aceitava a opinião de que a maioria das crianças deficientes descendia de imigrantes não nórdicos (Edwin Black, A Guerra Contra os Fracos, A Girafa Editora, SP, 2003, p. 230). Além disso era favorável ao infanticídio “A melhor coisa que uma família grande faz por um de seus membros infantis é matá-lo” (Edwin Black, A Guerra Contra os Fracos, A Girafa Editora, SP, 2003, p. 231).

A Wicca diz que trata a sexualidade humana de uma forma alegadamente sagrada. Mas convenhamos, qual agricultor é o mais sábio, aquele que planta suas sementes em terra fértil e alegremente as vê germinar e amadurecer, ou aquele que joga as sementes no lixo ou então as planta em terreno fértil, e antes que brotem, as arranca e joga fora?

A Wicca não trata a sexualidade humana com respeito.

O que ela faz é simplesmente incentivar a promiscuidade e as aberrações, pois alguns de seus adeptos a praticam publicamente em seus rituais, e são tolerados atos homossexuais e de auto-erotismo.

E isto, minha cara, se é uma “herança” de uma antiga religião pagã, é da seita dos gnósticos carpocráticos. Ou é pura e simplesmente uma emulação da magia sexual praticada tanto na OTO quanto na Golden Dawn, magia esta que vem de uma aberração chamada Espermo Gnose que acredita na liberação da partícula divina, a qual dizem estar presa na matéria, através do ato sexual.

Só a Igreja tem verdadeiro respeito pela pessoa humana, e trata convenientemente, segundo os propósitos divinos, com respeito ao delicado tema da sexualidade humana. Só ela respeita integralmente a vida como uma dádiva sagrada de Deus, e não os pagãos, que tratam o assunto de maneira tão promíscua e leviana.

Os neopagãos, e as pessoas de uma maneira geral deste mundo egoísta e relativista confundem o que é o amor.
Amor, para estas pessoas se resume apenas numa “sensação” boa, numa espécie de bem estar da pessoa com o mundo e com os que a cercam. Desconhecem que o amor, em seu significado último, significa querer bem e especialmente o máximo bem que é a salvação eterna.

E querer o bem a outro antes que a si mesmo é a forma de amor mais puro.

A wicca tem, de acordo com suas palavras, “um amor incondicional a tudo que o criador fez e realizou nos homens”,  mas se esquece de amar a Deus. Quem idolatra a criatura não ama verdadeiramente nem o Criador nem suas criaturas.

Você se confunde com relação ao livre arbítrio. Deus nos deu o livre arbítrio para que, escolhamos judiciosamente entre bem maior e bem menor, e, por fim, em conseqüência,  O adoremos ou O rejeitemos.

Realmente não há nada de errado, em si, em respeitar e agradecer a Deus pela natureza, pelo sol, pela lua. O que é errado é adorar as criaturas como se estas fossem Deus, ou pior ainda, adorar certas “entidades espirituais” (demônios) como se fossem deuses.

Sancte Michael Archangele, defende nos in praelio.
Paulo Sérgio R. Pedrosa

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: E nas outras religiões, há Deus presente? - Orlando Fedeli

Cartas: Maçonaria e Igreja - Orlando Fedeli

Cartas: Cristo é o próprio Deus ?

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais