Montfort Associação Cultural

10 de janeiro de 2005

Download PDF

A crucificação de Nosso Senhor

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Jasiel Alves Costa
  • Idade: 16
  • Localizaçao: Vespasiano – MG – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau incompleto
  • Profissão: Office-boy
  • Religião: Evangélica

    1. Quantas horas Cristo ficou na cruz?

    2. Como se chamava o chicote usado para chicotear Jesus?

    3. Quantos membros tinha o tribunal que jugou Jesus culpado?

    4. O que significa a cruz?

    5. Qual a distancia percorrida por Jesus até o Gólgota?

    6. A cruz naquela época era feita sob a medida do condenado?

    7. A cruz em que Jesus foi crucificado era feita mesmo pra ele ou para Barrabas? 8. Barrabas era maior,em tamanho do que Jesus?

    9. Jesus foi esticado para ser crucificado?

    10. Quantas chicotadas tomou Jesus?

Muito prezado Josiel,
salve Maria!

    Você me faz muitas perguntas cujas respostas não estão no Evangelho. Algumas delas podem ser respondidas pela razão. De outras, é impossível conhecer a resposta. De todo modo, sobre esse assunto da crucificação, só o que está nos Evangelhos é que importa saber. Vamos, então, a algumas respostas.

    Pelo evangelho se sabe que isto foi levantado na cruz à hora sexta, ao meio dia e que morreu à hora nona, ou 15 horas nossas. Portanto, Jesus ficou na cruz umas três horas.

    O instrumento usado pelos soldados romanos para chicotear chamava-se flagelum, que em português se chama flagelo . É uma espécie de chicote com umas bolinhas de chumbo ou ferro nas pontas das tiras.  Pelo sudário de Turim dá para saber quantas bolinhas de metal havia e quantas chicotadas foram dadas em Jesus, deixando marcas  que sangravam. Agora, neste momento, não tenho os dados a respeito do número de marcas feitas pelos flagelos no Corpo de nosso Senhor Jesus Cristo ei quantas foram as chicotadas.

    O Sinédrio tinha, normalmente 70 membros. Quantos julgaram Jesus, não se sabe. Possivelmente alguns não estavam presentes, ou por covardia, ou porque não foram chamados, já que o julgamento se fez à noite. A cruz era o castigo mais infamante daquele tempo. Na Sagrada Escritura estava escrito: “maldito aquele que pende do madeiro”.

    Nosso Senhor quis morrer na Cruz , porque assumiu todas as nossas culpas diante de Deus, a fim de resgatar a dívida que o homem tinha com Deus. Esse sinal da maldição, depois da morte de Cristo se tornou o sinal da salvação, e o sinal do Cristão.

    Não sei a distância que Nosso Senhor percorreu, mas como o caminho da via crucis é conhecido, é possível sabê-la com facilidade. Claro que a cruz não era feita “sob medida do condenado”. Bastava fazer uma cruz com dois pedaços de madeira, e colocar a pessoa condenada dependurada nela. A pessoa crucificada morre por asfixia, porque, estando dependurada, ela não consegue expelir o ar viciado dos pulmões, e o acúmulo de gás carbônico nos pulmões a leva à morte, lentamente. Por isso, os crucificados, procuravam expelir o ar impuro dos pulmões, fincando o pé no poste da cruz afim de poder mover o diafragma e limpar os pulmões. Daí, demorando demais a morte, quebravam-se as pernas dos crucificados, para que eles morressem mais depressa.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Jean Duns Scoto (1266-1308) - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: Santiago, o Cavaleiro da Piedade - Marcelo Andrade

Artigos Montfort: Considerações acerca das “Considérations sur la France” de Joseph de Maistre

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais